Por que você precisa ter uma Reserva de Emergência?

Por que você precisa ter uma Reserva de Emergência?

Com certeza você ouve toda hora que precisa pensar no dia de amanhã. Mas já parou pra pensar que os resultados do seu futuro são fruto das suas atitudes no presente? E que se o presente estiver comprometido lá se vai o futuro de sucesso? Por isso, hoje o assunto é a famosa Reserva de Emergência. O que é, porque ter e como construir uma.

Já que o assunto aqui é emergência, chega de enrolação e vamos logo ao que interessa!

O que é uma reserva de emergência?

Eu sempre digo uma coisa: não há nada mais certo na vida do que o incerto. Seja você o mais previsível e precavidos dos seres humanos, não está imune à esta maravilhosa fábrica de acasos chamada vida.

Imprevistos, sejam eles grandes ou pequenos, acontecem. E, geralmente, trazem com eles gastos.

Já reparou? É raro que tenha acontecido com você alguma obra do acaso que não fosse solucionável através de dinheiro.

Um problema de saúde, um acidente de carro, um acidente doméstico, uma demissão inesperada… a lista é infinita.

Resumindo, a reserva de emergência é uma quantidade x de dinheiro que você tem guardada para solucionar algum acontecimento inesperado.

Eu preciso mesmo ter uma reserva de emergência?

Essa resposta é fácil: SIM! E em qualquer caso.

“Mas se a reserva de emergência é para problemas de saúde ou acidentes de carro, e eu tenho plano de saúde e seguro do carro, logo não preciso me preocupar com isso, né?”

Errado!

Em primeiro lugar, como já falei acima, são inúmeras as possíveis emergências que podem acontecer. Mas vamos tomar como exemplo algum problema de saúde:

Caso você ou alguém da sua família descubra ter uma doença grave (Deus te livre!) como um câncer. Mesmo que você tenha plano de saúde, muito provavelmente ele não irá cobrir todos os tratamentos necessários. Ou os tratamentos que ofereça não sejam eficazes.

E as medicações? Existem medicamentos para estas doenças que custam mais de 5 mil reais, e seu plano certamente não irá pagar por estas despesas.

E se você perder o emprego subitamente? Como vai manter suas contas pagas pelo menos até conseguir ajustar seu padrão de vida à nova realidade?

E se você for um profissional liberal e não lucrar nada este mês? Como vai segurar a barra em casa?

Imprevistos acontecem!
Designed by yanalya / Freepik

A reserva de emergência é fundamental para que você passe por qualque intempérie sem precisar recorrer a empréstimos e criar novas dívidas.

Afinal, como vimos nesse post, é impossível construir um futuro rico estando atolado em dívidas.

Seu primeiro investimento DEVE ser no seu fundo de emergência. Não pense em construir seu plano de aposentadoria ou qualquer outro antes de ter sua reserva consolidada.

Então não dê o segundo passo antes do primeiro, pois isso certamente vai ter consequências desastrosas logo ali na frente.

Como eu faço minha reserva de emergência?

Primeiro você precisa calcular qual o “tamanho” da sua reserva de emergência.

O primeiro passo é ter o controle total do seu orçamento. Você precisa saber, com boa dose de precisão, quanto você gasta por mês.

Baixe agora! Planilha de Orçamento Familiar e Pessoal

Já tem uma média dos seus gastos mensais? (pegue os últimos 3 a 6 meses como média)
Beleza!

Agora vamos pegar este seu “custo mensal” e multiplicar pela quantidade de meses que sua reserva precisa suprir.

“Mas como eu vou saber isso?”

Bom, as indicações dos especialistas variam desde 3 até 12 meses das suas despesas.

Geralmente, se você é empregado via CLT, pode fazer uma reserva menor. De 3 a 6 meses. Se for profissional liberal, o ideal é construir uma reserva de 1 ano, devido a flexibilidade dos seus ganhos.

E onde devo aplicar o dinheiro da minha reserva de emergência?

Como montar minha reserva de emergência?
Designed by Freepik

Aqui vale lembrar o seguinte: O primeiro objetivo da sua independência financeira é ter a reserva de emergência construída.

Então nem pense em começar a fazer investimentos de longo prazo se ela não estiver pronto. Todos seus esforços e economia devem ir para a reserva até que ela esteja completa.

Dito isso, é hora de saber onde “colocar” esse dinheiro. E, claro: não vai ser debaixo do colchão e nem na famigerada poupança.

Como o nome já diz, a reserva de emergência serve para resolver emergências. Logo, precisamos que este dinheiro esteja disponível para ser usado a qualquer momento.

Por isso, o dinheiro deve ser destinado a investimentos seguros e com alta liquidez.

“Mas o que diabos é investimento de alta liquidez?”

Simples. É um investimento em que você pode resgatar uma parte ou toda a quantia investida na hora que desejar e sem perder dinheiro por isso.

Leve em consideração os 3 fatores: Risco baixo, liquidez alta e boa rentabilidade. Nesta ordem.

Em primeiro lugar, um investimento e uma instituição confiáveis, onde você não corra riscos de perder seu dinheiro.

Depois, a liquidez, que precisa ser D+0 (você resgata e o dinheiro cai na sua conta no mesmo dia) ou D+1 (você resgata e o dinheiro cai no dia seguinte).

E, claro, você quer que além de tudo essa grana renda, não é verdade? Então vamos investir em algo que atenda os critérios anteriores e ainda nos dê uma rentabilidade bacana (maior que a poupança do seu querido banco).

É claro que você precisa estar ciente de uma coisa: não existe aplicação milagrosa de risco zero, liquidez alta e rentabilidade nas nuvens. A ideia da reserva de emergência não é lucro e sim segurança.

“Ok! Mas então quais são as melhores aplicações para eu criar meu fundo de emergência?”

As aplicações que melhor se enquadram nos critérios de risco baixo, liquidez alta e boa rentabilidade são:

Tesouro Selic

O título de renda fixa mais seguro e popular. Basicamente você empresta seu dinheiro para o governo investir em áreas básicas (como saúde e segurança) e ele te paga juros por isso.

Atualmente ela rende por volta de 7% ao ano.

CDB com liquidez diária

Título emitido pelos bancos com rentabilidade as vezes até maior que o CDI.

LCI e LCA com liquidez diária

Estes são títulos de renda fixa dos setores imobiliário e do agronegócio, respectivamente. Têm uma rentabilidade parecida com a do CDB e são isentos de tributação.

Fundos de renda fixa

São “pacotes” de títulos de renda fixa administrados por um gestor profissional. A grande vantagem é que este gestor aloca os investimentos nos títulos que considerar mais lucrativos.

Mas fique atento: só invista em títulos de renda fixa de instituições sólidas (aquelas que você sabe que não vão quebrar), pois ao contrário dos investimentos anteriores os fundos de renda fixa não possuem a garantia do FGC.

Sabendo bem quais os melhores investimentos para sua reserva de emergência, o que você deve fazer a seguir é abrir uma conta em uma corretora de valores, transferir a quantia necessária da sua conta bancária para a corretora e alocá-la no investimento necessário.IMPORTANTE:
Dê preferência por corretoras como a Easynvest, que não cobram taxa de administração para investimentos em renda fixa.

Dicas de ouro para montar sua reserva de emergência

Pessoas pobres não fazem o dinheiro trabalhar por elas
Designed by Freepik
  • LEMBRE-SE: Você só será rico um dia se tiver uma reserva de emergência, pois se um imprevisto aparecer vai comprometer os investimentos do futuro.
  • Faça sua reserva de emergência em cima do cálculo das suas despesas e não das receitas.
  • Não mexa na receita por desejo, apenas por necessidade.
  • O concerto ou compra de um novo fogão ou geladeira, por exemplo, se enquadra em “necessidade”, já que é um bem indispensável para sua vida.
  • Quando precisar resgatar dinheiro da reserva, seu objetivo para o(s) próximo(s) mês(es) será repor o que tirou.
  • Se seu padrão de vida subir, refaça os cálculos e atualize sua reserva de emergência.
  • NUNCA deixe o dinheiro destinado à reserva de emergência na sua conta corrente. Você pode gastá-lo sem perceber.

Talvez a melhor dica para se construir e manter uma reserva de emergência saudável é: tenha sempre um orçamento inteligente. Saiba gastar. E acima disso, saiba flexibilizar seus gastos e se adaptar ao seu momento financeiro (e do mundo como um todo).

Fazendo isso, dificilmente você precisará mexer na sua reserva e poderá, agora sim, partir para os objetivos de longo prazo, como construir seu plano de aposentadoria ou atingir a liberdade financeira.

É isso, poupador!

Se gostou, não gostou, tem alguma dúvida ou dica, deixa aí nos comentários que vou ter prazer em bater esse papo.

Espero que esse conteúdo tenha te ajudado a construir sua reserva de emergência, e agora podemos ir juntos para a melhor parte. Investir para alcançarmos nossos grandes sonhos.
Um abraço e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar